Nosso horizonte mudou de janela

131 TIROU O CABELO DOS OLHOS E COMEÇOU A ANDARO facebook me lembrou:

Faz um ano que você publicou Mãe e filha se olham por dez anos

O último post do meu blog.

Foi o tempo de experimentar o “três meia cinco”:

365 dias desenhando sob a alcunha de Mauri Cá.

Um por dia. Por um ano.

Precisava aprender a desenhar.

Eu já sabia, mas não sabia que sabia.

Precisei desenhar todos os dia para perceber.

248 COLHEITA

27 AMORMe faltava tempo para escrever,

não queria falar sobre crianças.

Queria saber de mim.

O desenho tomou conta.

01 AUTO RETRATO

15 ESPANTANDO SAPOSComecei a pintar.

Horas seguidas.

Uma história apareceu.

Tinta acrílica, preto e branco, só imagens.

Era meu auto curso de pintura.

Prazer, prazer, prazer.

Chegaram as férias do Theo,

o tempo acabou e a história não terminou.80 TARDE LIVRE PARA BOIAR

299 THEO FOTOGRAFO358 MENTE CONFUSA

Então foi chegando o dia das crianças.

Era hora de nascer a cadeirinha PITOCO

Assunto para outro post.

Produzir um móvel em série.

Vender.

74 CORAGEM DE MARTELO

Horas na marcenaria quando eu só queria desenhar.

Procurei o tarot:

A Justiça.

Era questão de equilibrar.

192 A LOUCA

258 LOUCO BUSCA A CASA

Fiquei grávida.

Theo achava que era menino.

Eu sentia menina.

Irene.

Ela esperou eu terminar:

uma semana antes dela nascer,

fiz do “365” uma exposição de um dia só.

354 NAO VAI DAR TEMPO

Quando Irene nasceu, não esperou a parteira chegar.

357 MAE PASSARO

Os novos prédios da rua ficaram prontos.

E minhas plantas esqueci de regar.

Nosso horizonte mudou de janela e eu mudei minha mesa de lugar.

Arrumei o jardim:

só plantas sobreviventes, porque filho, agora tenho dois para criar.

69 MAMAE MONSTRO

FIM

PS. Foi assim meio escalafobético, mas como dar conta de um ano em um post?

gravida 365 desenhos
exposição 365 de Mauri Cá

Mãe e filha se olham por dez anos.

Quando a gente desenha algo, é como se estivéssemos olhando este algo pela primeira vez.

Quando olhamos uma janela, vemos aquela forma retangular que revela a paisagem na parede opaca, mas quando vamos desenhar uma janela, ela começa revelar seus mínimos detalhes: a dobradiça, o parafuso que fixa a dobradiça, a parte que separa as fendas da veneziana, o encaixe do vidro na madeira… e o tempo que você fica encarando a janela para captar o que te impressionou naquelas formas te coloca num estado de concentração que é raro de se atingir, principalmente se é uma grande cidade que te ronda.

Este livro quem me apresentou foi a Carla Caffé, diretora de arte e professora de desenho no melhor curso de desenho de observação que já fiz, nas oficinas de criatividade do Sesc Pompéia.

Mãe e filha desenham uma a outra.                                                                                                    Uma vez por semana, por duas horas.                                                                                               Dez anos consecutivos.                                                                                                                          A filha Nikita tinha sete anos quando começaram.

O mítico laço mãe-filha narrado num conto silencioso. Não se pode mexer, por uma hora a mãe posa, a filha desenha, e vice-versa . A disciplina de estar presente. Um projeto sobre o tempo.

IMG_20150205_130217530

CHORNOGRAPHIE – Dominique Goblet e Nikita Fossol. Editora L´Association

IMG_20150205_155749904 IMG_20150205_155745187 IMG_20150205_155718130 IMG_20150205_155712438 IMG_20150205_155614647 IMG_20150205_155609636 IMG_20150205_155547524 IMG_20150205_155542255 IMG_20150205_155528665 IMG_20150205_155455697 IMG_20150205_155434445 IMG_20150205_155413236_HDR IMG_20150205_155344941 IMG_20150205_155339299 IMG_20150205_155317992 IMG_20150205_155308356 IMG_20150205_155258125 IMG_20150205_155240666 IMG_20150205_155232029 IMG_20150205_155205169 IMG_20150205_155134728 IMG_20150205_155128375 IMG_20150205_155116186 IMG_20150205_155110593